Skip to Content
avatar image
Former Member

Transferencia entre centros com substituição tributária para custo do material

Boa tarde,

Caros colegas, tenho um problema na transferência entre centros com substituição tributária MM/SD (tipo de movimento 862/861) em um cliente de Retail, gostaria de saber se alguém já teve que fazer esse tipo de contabilização.

Abaixo segue o comportamento do SAP como esta hoje.

Contabilização da nota fiscal de saída - tipo de movimento 862 (ESTA CORRETO)

Chv D/C Conta Denominação Montante Moeda Código de imposto Operação

40 S 113206 Imp Tranf Estab. 34,62 BRL TXO

99 H 114700 Prod. comerc. -70,69 BRL T1 BSX

89 S 114700 Prod. comerc. 70,69 BRL BSX

50 H 213000 ICMS a Recolher -2,95 BRL T1 MW2

50 H 213001 ICMS Subtrib a Rec. -31,67 BRL T1 MW3

Contabilização da nota fiscal de entrada - tipo de movimento 861 (SEGUNDO A CONTABILIDADE ESTA ERRADO).

Chv D/C Conta Denominação Montante Moeda Código de imposto Operação

40 S 113202 ICMS a Recuperar 2,95 BRL T3 ICM

50 H 113206 Imp Tranf Estab. -34,92 BRL TXO

40 S 500006 ICMS Sub. Tributária 31,97 BRL T3 ICS

A contabilidade considera que esta errado pois o valor de R$ 2,95 + o valor de R$ 31,67 que totaliza R$ 34,62 deveria ir para o custo do material e não para conta de impostos.

Alguém conseguiu fazer esse tipo de contabilização na entrada com o tipo de movimento 861?

Para o IVA de saída T1 as condições que utilizo são: IPI0 ICM3 ICS3

Para o IVA de entrada T3 as condições que utilizo são: IPI0 ICM1 ZCS1 (copia da ICS1, fiz isso para poder alterar a cadeia de contabilização).

Resumindo o que o cliente quer é: somar o valor do ICMS e SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA calculados no centro origem e transferi-los para o custo do material no centro destino.

Muito obrigado.

Att.

Add comment
10|10000 characters needed characters exceeded

  • Follow
  • Get RSS Feed

4 Answers

  • avatar image
    Former Member
    Jul 24, 2015 at 06:38 PM

    Fábio! boa tarde!

    Voce conseguiu resolver este problema da Substituição Tributária em Transferencia entre centros?

    Estamos com o mesmo problema aqui!
    Obrigada!!

    Claudia

    Add comment
    10|10000 characters needed characters exceeded

  • avatar image
    Former Member
    Aug 21, 2015 at 01:53 AM

    Senhores,


    Após estudar o que Eduardo Rubia indicou, eu consegui passar do erro de NVV.

    Ou seja para aquele erro, tenho certeza que o procedimento do Rubia funcionou. Quanto ao erro posterior também o tenho;

    Estou checando as configurações e como meu problema é igualmente parecido com este, devo colocar a solução assim que a tiver.

    Add comment
    10|10000 characters needed characters exceeded

    • Former Member

      Oi Filipe.

      Você conseguiu avançar neste tema?

      A saída encontrada no cliente onde estou atuando foi a de fazer a transferência saindo com o material por SD, criando ordem de vendas, remessa e fazendo a saída por lá. O cliente é o mesmo vinculado ao centro para efeitos de transferência.

      Na saída os impostos são contabilizados em ICMS e ICMS-ST a recolher contra uma conta transitória de estoque de transferência.

      Neste momento o material está no "limbo", se olharmos apenas o standard, mas o estoque em trânsito pode ser controlado por tabela Z. O ideal é que seja construído um cockpit para esse controle, mas isso não foi feito aqui por falta de tempo $$$$.

      Já a entrada no destino é feita por "MB1C" utilizando um movimento cópia do 501. Para o movimento novo foram abertos os campos Montante MI e o Base Diferente. O campo montante MI é usado para contabilizar o estoque e o base diferente faz com que os impostos sejam calculados sobre o valor deste campo, ignorando o montante MI.

      No campo montante MI você vai informar o valor cheio que deseja contabilizar o estoque. Esse valor vai com custo no centro de origem + ICMS + ICMS-ST. Já o campo base divergente deve ir só com a base de cálculo dos impostos...

      O código de imposto a ser utilizado precisa ter apenas as condições standard ICM2 e ICS2, que possuem a chave NVV. Isso fará com que a contabilização seja completamente ignorada, mas os impostos serão carregados na nota fiscal tendo como base de cálculo o valor informado em base diferente.

      Exemplo bem simples da contabilização... Saída:

      99 - Estoque -10,00

      89 - Estoque trânsito +10,00

      50 - ICMS -2

      50 - ST -2

      40 - Estoque trânsito +4 (Sim... O amiguinho de SD precisa usar a conta de estoque em trânsito como se fosse transferência de imposto.)

      Entrada:

      89 - Estoque +14,00

      91 - Estoque -14,00 (Configura uma operação Z da GBB na OMJJ e aponta a conta de trânsito na OBYC.

      Claro que é "gambiarra" e possui os contras...

      1. O material fica no limbo com zero controle do trânsito via standard após a saída.

      2. A entrada é totalmente desvinculada da saída no standard.

      3. As exceções fiscais precisam estar totalmente equalizadas para que os impostos da nota de entrada sejam iguais aos da nota de saída. A não ser que os grupos de impostos atendam tanto MM quanto SD.

      4. Se não for um programa Z a fazer o lançamento, o usuário tem que saber exatamente o valor que deve informar em cada campo (montante MI e base diferente).

      Boa sorte aí! Have fun!

      Campos.JPG (11.7 kB)
  • Jan 13, 2015 at 08:38 PM

    Oi, Fábio,

    Em processos de transferência toda a valorização de material é realizada no momento da saída de mercadorias, no 862 ou 833.

    Isso significa que, dentro da localização, não há como apropriar os montantes lançados na transaction key TXO como custos no momento do 861 ou 835, pois estes movimentos não permitem lançamento de custo de material. Isso porque custo vai para a chave NVV e se vc tentar usar um IVA de consumo na entrada de STO que tenha ativo por exemplo ICS2 ou ICM2, vai incorrer num erro dizendo justamente isso: "Chave de lançamento NVV não encontrada"

    Sendo assim, é necessário que vc simultaneamente lance os tributos a recolher - referentes à operação de saída - e os aproprie como custo de aquisição do material. Tudo isso na saída da mercadoria.

    Ok, então como proceder?

    Bom, vai demandar um pouco de configuração, teste, suor e algumas lágrimas 🤣. O que você terá que fazer, basicamente (digo basicamente porque certamente refinamentos posteriores serão necessários - e também não sei se dará certo, pois nunca testei), é criar uma condição de offset para que na saída da mercadoria o valor do ICS3 e/ou do ICM3 sejam direcionados para o custo do material.

    Como isso?

    Para direcionar sua configuração, você pode usar como guia a solução por trás do IVA "D1" usado no lançamento de DIFAL da nota 679372.

    Seria algo +/- assim:

    1) Criar 1 condição de offset para cada tipo de imposto a ser apropriado como parte do custo (e.g. ZCS3)

    2) Inserir essa condição no procedimento de cálculo apontando para a linha da condição principal (e.g. ZCS3 apontando para ICS3)

    3) Definir chave de conta "NVV" para a condição do item 2.

    4) Configurar na J_1BIM01V uma entrada para a posting string usada na saída (WA04) apontando para a condição ZCS3 e com tipo de lançamento "M Material".


    5) Inserir a condição ZCS3 na J_1BAJ com cópia da ICS3 (para que seja possível ativá-la no IVA)

    6) Habilitar um IVA com ICS3 e ZCS3 ativos.


    Teoricamente esses passos irão criar uma linha adicional no documento contábil, no valor com sinal oposto da condição de recolhimento, mas apropriada no custo do centro destino.

    Até me motivei a testar aqui internamente, então se você conseguir algum sucesso (mais provavelmente alguns fracassos), compartilhe comigo para tentarmos criar algo a 4 mãos.

    Abraço,

    Eduardo

    Add comment
    10|10000 characters needed characters exceeded

  • avatar image
    Former Member
    Nov 07, 2015 at 01:44 PM

    Oi Fabio.

    Acabei respondendo o Filipe ao invés de responder seu post... Por isso estou replicando...

    Você conseguiu avançar neste tema?

    A saída encontrada no cliente onde estou atuando foi a de fazer a transferência saindo com o material por SD, criando ordem de vendas, remessa e fazendo a saída por lá. O cliente é o mesmo vinculado ao centro para efeitos de transferência.

    Na saída os impostos são contabilizados em ICMS e ICMS-ST a recolher contra uma conta transitória de estoque de transferência.

    Neste momento o material está no "limbo", se olharmos apenas o standard, mas o estoque em trânsito pode ser controlado por tabela Z. O ideal é que seja construído um cockpit para esse controle, mas isso não foi feito aqui por falta de tempo $$$$.

    Já a entrada no destino é feita por "MB1C" utilizando um movimento cópia do 501. Para o movimento novo foram abertos os campos Montante MI e o Base Diferente. O campo montante MI é usado para contabilizar o estoque e o base diferente faz com que os impostos sejam calculados sobre o valor deste campo, ignorando o montante MI.

    No campo montante MI você vai informar o valor cheio que deseja contabilizar o estoque. Esse valor vai com custo no centro de origem + ICMS + ICMS-ST. Já o campo base divergente deve ir só com a base de cálculo dos impostos...

    O código de imposto a ser utilizado precisa ter apenas as condições standard ICM2 e ICS2, que possuem a chave NVV. Isso fará com que a contabilização seja completamente ignorada, mas os impostos serão carregados na nota fiscal tendo como base de cálculo o valor informado em base diferente.

    Exemplo bem simples da contabilização... Saída:

    99 - Estoque -10,00

    89 - Estoque trânsito +10,00

    50 - ICMS -2

    50 - ST -2

    40 - Estoque trânsito +4 (Sim... O amiguinho de SD precisa usar a conta de estoque em trânsito como se fosse transferência de imposto.)

    Entrada:

    89 - Estoque +14,00

    91 - Estoque -14,00 (Configura uma operação Z da GBB na OMJJ e aponta a conta de trânsito na OBYC.

    Claro que é "gambiarra" e possui os contras...

    1. O material fica no limbo com zero controle do trânsito via standard após a saída.

    2. A entrada é totalmente desvinculada da saída no standard.

    3. As exceções fiscais precisam estar totalmente equalizadas para que os impostos da nota de entrada sejam iguais aos da nota de saída. A não ser que os grupos de impostos atendam tanto MM quanto SD.

    4. Se não for um programa Z a fazer o lançamento, o usuário tem que saber exatamente o valor que deve informar em cada campo (montante MI e base diferente).

    Boa sorte aí! Have fun!


    Campos.JPG (11.7 kB)
    Add comment
    10|10000 characters needed characters exceeded